Falta de participação dos servidores impediu ação do Sindicato

Sintramfor reivindicou 15% de recomposição salarial, mas proposta de reajuste baseado apenas no INPC não pode ser contestada porque a maioria dos servidores não participou de assembleia

Servidores na assembleia, na qual votaram pela rejeição da proposta de reajuste baseado apenas no INPC

Servidores na assembleia, na qual votaram pela rejeição da proposta de reajuste baseado apenas no INPC

Apesar de o Sintramfor ter reivindicado ao Executivo 15% de recomposição salarial, os servidores municipais da Prefeitura terão apenas o reajuste baseado no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), em maio deste ano.

A falta da maioria dos servidores na assembleia do dia 21 de março, ocasião em que a proposta do Executivo relativa à Pauta de Reivindicações foi votada, impediu qualquer tipo de ação do Sintramfor. Dos quase dois mil servidores, apenas cerca de cem participaram da reunião e rejeitaram a proposta. Como o grupo era muito pequeno, foi impossível organizar uma paralisação ou greve.

Mediante a falta de união dos servidores, o prefeito enviou à Câmara Municipal o projeto de lei para reajuste baseado apenas no INPC, aproveitando ainda do fato de que neste ano eleitoral não poderá haver qualquer alteração salarial após o dia 8 de abril. “Se os servidores não tiverem a consciência de que o Sindicato sozinho não tem força de representatividade frente ao prefeito, nós jamais alcançaremos nossos objetivos e a valorização salarial e profissional que desejamos”, alertou o presidente do Sintramfor, Natanael Alves Gonzaga.

Natanael salientou ainda que sem participação não haverá conquista. “Não adianta o servidor ficar só cobrando do Sindicato, nós da diretoria estamos fazendo tudo o que podemos para alcançar melhorias para todos, mas enquanto cada uma das classes não participar das assembleias, para votar e mostrar força de representatividade, teremos que aceitar o que nos for imposto porque o que faz o Executivo reconhecer a nossa força é paralisação ou greve, o que não dá pra fazer com apenas cem dos quase dois mil servidores”, ressaltou.

O presidente falou ainda sobre críticas de alguns servidores que não participam das assembleias e cobram do Sindicato. “As críticas sem ação não podem ser levadas em consideração, pois elas não mudam em nada a nossa situação. O que pode mudar e nos levar às conquistas é a participação de cada um”, destacou.

Data-base

Natanael convida a todos para somar forças para aprovação do projeto de lei que visa mudar a data-base de maio para janeiro. Com a mudança, os servidores poderão começar a negociação salarial no início de cada ano, além de receberem o reajuste salarial a partir do primeiro mês. “Precisamos que os servidores se mobilizem para aprovação desse projeto, intercedendo junto aos vereadores, pois a mudança será um grande benefício para nós”, disse Natanael.

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *